Fale conosco pelo WhatsApp

Reconstrução de Mama

Pacientes diagnosticadas com câncer de mama geralmente precisam ser submetidas a uma mastectomia, intervenção cirúrgica que consiste na retirada total ou parcial dos seios. A reconstrução de mama é um procedimento reparador que pode ter um papel fundamental no tratamento da doença, uma vez que contribui para a melhoria da autoestima e do estado emocional das mulheres.

As mamas carregam uma representação simbólica muito forte e estão diretamente associadas a conceitos como: feminilidade, maternidade e sexualidade feminina. A ideia de perdê-los pode ser muito devastadora, especialmente em um momento tão delicado como a luta contra o câncer. Por conta disso, a reconstrução da mama costuma ser recomendada juntamente ou após a operação de retirada dos seios.

A cirurgia de reconstrução mamária é capaz de restaurar a forma, aparência e tamanho da mama, preservando a autoimagem das mulheres que precisam passar por uma mastectomia.

A realização deste procedimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é garantida por lei, mas é um direito da paciente decidir se deseja ou não fazer a reconstrução — bem como optar pela operação em clínicas particulares, com um cirurgião plástico de sua escolha.

Como é feita a cirurgia de reconstrução mamária?

Existem diferentes técnicas de reconstrução da mama, e a escolha pela mais adequada depende diretamente do tipo de cirurgia que será feita para a retirada dos seios. Este é um tratamento que deve ser totalmente individualizado, levando em consideração a porção que foi preservada do tecido mamário, além das características e expectativas da paciente.

Na maioria dos casos, a utilização de próteses de silicone é possível, mas também existem situações em que o mais indicado é aproveitar tecidos da própria paciente (retirando-os de outras regiões do corpo). Muitas vezes, a mastectomia não preserva a aréola e os mamilos, e essas estruturas também precisam ser reconstruídas na cirurgia reparadora.

A paciente que vai passar pela cirurgia de reconstrução mamária pode optar por corrigir ou até mesmo aumentar a mama que não foi alterada com a mastectomia. Mulheres que apresentam um seio caído ou grande demais, por exemplo, podem associar a operação a um procedimento para elevar o seio e conferir mais simetria ao corpo.

Benefícios da reconstrução mamária

Optar pela reconstrução da mama após a mastectomia renova a autoestima e autoconfiança de uma mulher que está lidando com neoplasias mamárias. Em muitos casos, esta é uma questão que reflete na qualidade de vida e bem-estar da paciente, uma vez que a cirurgia minimiza o sofrimento feminino em relação à autoimagem. Trata-se, portanto, de um cuidado muito importante em um momento delicado como o tratamento de câncer.

Os resultados estéticos da operação são bastante satisfatórios, uma vez que é restaurada a forma do seio, embora a sensibilidade na região não volte a ser a mesma. Inevitavelmente haverá uma cicatriz, cujo tamanho depende diretamente da operação de mastectomia, mas ela será discreta e localizada em uma parte escondida da pele.

É importante ter em mente que o prognóstico oncológico não é afetado pela reconstrução mamária, e o restante do tratamento deve ser seguido conforme indicação do médico responsável pelo tratamento do tumor. Existem estudos apontando que a cirurgia não favorece a recidiva do câncer de mama e, mesmo que os tumores voltem a aparecer, os seios reconstruídos não atrapalham na quimioterapia ou radioterapia.

Pré e pós-cirúrgico da reconstrução de mama

A reconstrução dos seios pode ser imediata ou tardia, sendo que no primeiro caso a paciente é submetida à mastectomia e pela cirurgia reparadora em uma única intervenção. Nesse caso, a mulher precisa lidar com apenas um período pós-operatório e não passa pela experiência de ficar sem uma ou sem as duas mamas. Dependendo das condições clínicas do paciente, porém, pode ser necessário fazer o procedimento em um segundo momento.

O preparo pré-operatório é praticamente o mesmo de qualquer outra cirurgia, exigindo a realização de exames de sangue, glicemia, coagulação e eletrocardiograma. Essa avaliação prévia é essencial para que sejam identificados possíveis riscos e para ter certeza das boas condições para anestesia e cicatrização. Podem ser necessários cuidados específicos, como suspender o uso de medicamentos e evitar o tabagismo.

O pós-operatório da reconstrução de mama exige que a paciente seja acompanhada por alguém próximo, uma vez que é recomendado evitar a movimentação intensa dos braços e repouso relativo. Um dreno pode ser colocado temporariamente sob a pele, e a paciente pode sentir dor na região do corte. Outros cuidados necessários após a cirurgia são:

  • Usar sutiã para garantir a sustentação dos seios;
  • Seguir rigorosamente o receituário médico;
  • Realizar os movimentos indicados pelo fisioterapeuta;
  • Comparecer às consultas marcadas para a realização de curativos e acompanhamento;
  • Não dirigir ou praticar exercícios físicos no primeiro mês;
  • Evitar que a área operada seja exposta aos raios solares;
  • Alimentar-se adequadamente, especialmente se houver alguma recomendação específica;
  • Comunicar o médico caso ocorram dores muito fortes, febres ou mau odor intenso nos curativos.

Câncer de mama no Brasil

O câncer de mama está entre os tumores malignos que mais afetam as mulheres no mundo todo, sendo mais frequente a partir dos 35 anos de idade. O problema também pode acometer os homens, mas é uma manifestação muito rara e representa apenas 1% do total de casos. Estatísticas apontam o crescimento da incidência da doença em praticamente todos os países, o que reflete diretamente no aumento das cirurgias de reconstrução de mama.

Como qualquer tipo de câncer, os tumores de mama não possuem uma única e definitiva causa. Apesar disso, é possível apontar alguns fatores de risco para o desenvolvimento do problema, tais como:

  • Tabagismo e consumo de álcool;
  • Estilo de vida muito estressante;
  • Sedentarismo e obesidade;
  • Menarca precoce ou menopausa tardia;
  • Dieta com elevado consumo de alimentação industrializada e com excesso de gordura;
  • Ausência de gestações e amamentação;
  • Genética e hereditariedade.

Para saber mais sobre a reconstrução de mama e entender se esta cirurgia plástica é recomendada para você, agende uma consulta com um médico associado à Sociedade Brasileira de cirurgia Plástica (SBCP) e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto.